Publicar artigos é o sonho de todo acadêmico e pesquisador.

É com a publicação do artigo que o conteúdo passa a ser compartilhado e difundido no meio científico, ganhando relevância.

Afinal, você não dedica todo um tempo e trabalho para escrever o artigo, colher análises e chegar a resultados para que esses fiquem guardados e esquecidos na gaveta, né?

Não se esqueça: o principal objetivo da pesquisa científica é disseminar o conhecimento.

Então, criamos essa publicação para tirar todas as suas dúvidas sobre a publicação de artigos. Aqui você vai aprender:

  • O que são artigos científicos
  • A importância de publicar artigos
  • Quem pode publicá-los
  • Onde publicar artigos
  • O que você precisa saber antes de publicar artigos
  • Dicas sobre os processos de produção e publicação de artigos

O que são artigos científicos?

Segundo os estudiosos Alceu Cavalhieri e Sérgio Engerroff, artigo científico é a parte de uma publicação com autoria declarada que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados nas mais diversas áreas do conhecimento.

Os artigos científicos podem trabalhar tanto com os resultados de uma pesquisa teórica, de base bibliográfica, como com pesquisas mais práticas, que envolvam, por exemplo, a coleta de dados e experimentações.

Eles não costumam ser muito longos e, por isso, têm, em média, 20 páginas.

Por que publicar artigos?

Ter um artigo publicado e ver seu nome sendo citado em outras pesquisas agrega valor e autoridade ao seu currículo e à sua carreira acadêmica.

Inclusive, muitas revistas científicas usam como critério de aceitação de trabalhos o número de referências que outros pesquisadores fizeram a você.

Lembre-se sempre que artigos são a base de comunicação entre acadêmicos e pesquisadores.

Então, os artigos científicos são a chance de tornar os resultados da sua pesquisa acessíveis e duradouros para outros pesquisadores.

Se o resultado da sua pesquisa não for compartilhado, ele não terá tanto sentido (e até utilidade) para o meio científico.

Curiosidade: a questão das referências na pesquisa é tão importante que, a partir de 2019, todos os autores que tiverem seus artigos publicados pela revista indexada Scielo terão o ID ORCID.

Citações e ID ORCID

O ID ORCID nada mais é do que um identificador digital e único, composto por um código alfanumérico, que distingue um pesquisador de outro.

Assim, consegue-se resolver o problema da ambiguidade de nomes entre autores, já que existem inúmeras pessoas chamadas “João Silva” no Brasil, por exemplo.

Ele faz com que os pesquisadores sejam facilmente atrelados às suas produções científicas. Dessa forma, o autor que é constantemente citado e referenciado na produção de terceiros consegue adquirir um prestígio significativo na esfera acadêmica.

Segundo material publicado pela Elsevier, as citações representam o reconhecimento ou validação de uma pesquisa por outros pesquisadores.

O ID Orcid é muito parecido com o DOI, mas ao invés de identificar o trabalho, ele identifica o autor.

Quem pode publicar artigos?

Já que os artigos científicos tratam do estudo e da análise de temas específicos, o mais habitual é que eles sejam escritos por especialistas no assunto.

Então, comumente, vemos graduados, pós-graduados, mestres, doutores e pós-doutores desenvolvendo esse gênero científico.

Porém, a verdade é que não existe uma regra que determine quem pode ou quem não pode escrever artigos científicos.

Uma prova disso é que a Royal Society, uma das maiores revistas científicas do mundo, já publicou um artigo escrito por crianças.

O que acontece é que as condições de publicação ficam a critério dos próprios veículos.

Então, o ideal é checar se você – enquanto autor- e o seu material cumprem os requisitos do periódico, revista ou do evento.

Geralmente, as revistas com Qualis mais altos são as que exigem uma titulação maior.

→ Não sabe o que é Qualis? Entenda aqui!

Onde publicar artigos?

Escolher a revista inadequada para a publicação de trabalhos é um dos erros mais comuns entre cientistas, pesquisadores e acadêmicos. Principalmente se forem iniciantes no assunto.

Teoricamente, você pode publicar artigos em qualquer lugar: blogs, Linkedin e outras redes sociais.

Sendo que essas não são as opções mais adequadas, visto que não são veículos de autoridade no assunto e os conteúdos não passam por critérios de avaliação, que definem a sua relevância e qualidade.

Nesses casos, você tampouco consegue adicionar os materiais ao seu Currículo Lattes.

→ Currículo Lattes ou Currículo Vitae: quando usar cada um deles? Entenda as diferenças.

Assim, os locais ideias para a publicação de artigos são os anais de eventos ou periódicos/revistas científicas.

Anais de Eventos

A publicação de trabalhos e artigos nos anais do evento é uma ótima porta de entrada para estudantes que querem iniciar carreira no meio acadêmico.

Isso porque o processo de publicação em revistas científicas é extremamente burocrático e pode levar meses (ou até anos!) para ser efetivado.

Por isso, é sempre bom ficar de olho nos eventos que estão com a submissão de trabalhos aberta!

→ Confira aqui eventos acadêmicos perto de você!

A simples publicação de um resumo em um evento já é um ponto positivo no currículos. De posse dos Anais, os participantes poderão anexar a publicação no currículo Lattes, trazendo assim maior visibilidade ao autor.

Algumas plataformas de eventos, como a Even3, fornecem os anais dos eventos já com identificadores como DOI, ISSN e ISBN.

Esses identificadores garantem a autenticidade do documento e fazem com que eles consigam ser encontrados mais facilmente em qualquer lugar do planeta.

→ ISSN, ISBN e DOI: o que são e como emiti-los do jeito certo e garanta a autenticidade e credibilidade da sua pesquisa.

Revistas Científicas ou Periódicos

Cada revista científica costuma trabalhar com um tema específico ou com um eixo temático. Por isso, é bom ficar atento aos periódicos da sua área de pesquisa.

Você pode achar a revista perfeita para o seu artigo em alguns indexadores, como:

Caso queira ter acesso a uma lista de periódicos por área de atuação, você pode acessar a lista produzida pela própria Scielo: Lista de Periódicos por Assunto.

Antes da publicação do artigo: o que fazer?

Você sabia que o ideal é que você pesquise sobre os possíveis periódicos aos quais deseja submeter o seu artigo antes mesmo de escrevê-lo?

Isso mesmo! Fazendo essa pesquisa prévia, você consegue entender que tipos de publicação são aceitas mais frequentemente pelo veículo e desenvolver o seu artigo de maneira mais assertiva.

Cuidado: Cheque se o veículo de seu interesse se enquadra como revista predatória. Essa é uma prática que tem se tornado muito comum no Brasil e que, infelizmente, pode trazer grandes riscos à sua carreira.

→ Entenda o que são as revistas predatórias e por que você precisa fugir delas!

Práticas que você deve adotar antes de tentar a publicação

Além disso, não se esqueça de adotar as seguintes práticas antes de decidir em qual revista publicar o seu artigo:

Ler muito sobre o assunto

Isso ajuda a identificar em quais periódicos você gostaria de ver o seu artigo publicado. Além disso, identifica os questionamentos a serem respondidos no artigo e ajuda na escolha dos métodos de pesquisa.

Estudar a formatação e a documentação exigidas pelo periódico

Nem todos seguem as regras da ABNT, por exemplo. Se for uma revista internacional, analise a formatação exigida e programe-se para executá-la!

Analisar as questões éticas do veículo e suas também

Deixarei para aprofundar esse tópico mais adiante, ainda nesse post!

3 dicas valiosas para garantir a aprovação do seu artigo

De acordo com matéria publicada pela Fapesp, os editores de periódicos buscam por três pontos principais nos artigos:

  • Resultados inéditos;
  • Uso correto e apropriado do inglês e;
  • Assunto que desperte o interesse dos leitores.

Procuram, ainda, artigos que levantem e respondam aos questionamentos certos, usando métodos adequados e fazendo a interpretação correta dos resultados.

Temas atuais e com relevância para a região de publicação também costumam atrair os olhares dos editores. Buscam também pesquisas que tragam avanços significativos para determinado contexto e que consigam “sobreviver” a avaliação por pares.

Atenção: muitos artigos são reprovados porque simplesmente fogem do tema que a revista propõe. Então, fique ligado e não caia neste erro!

Relação entre a ética e a publicação de artigos científicos

Muitas questões éticas estão envolvidas no contexto da publicação de artigos. Elas envolvem tanto os veículos como os próprios autores de trabalhos. Por isso, fique atento:

Não envie, ao mesmo tempo e para mais de um lugar, o mesmo material

Escolha apenas uma revista como primeira tentativa de publicação. Nada de sair enviando o seu artigo para 500 veículos. Essa prática acaba com ineditismo da publicação e não é bem vista no meio.

Por isso, se após algumas semanas, o veículo não te der retorno, avise que está prosseguindo com a tentativa de publicação e enviará o seu artigo para outro lugar.

Plágio em produções científicas

NUNCA (nunca mesmo!) cometa plágio. As revistas, periódicos e eventos estão de olho nessa prática e cortam publicações plagiadas. Por isso, sempre atribua a fonte de pesquisa no seu artigo.

→ Conheça mais sobre plágio: por que deve ser evitado, tipos e ferramentas para identificação.

Não divulgue dados ou análises falsas

Na Ciência, tudo precisa ser comprovado e justificado. Então nada de inventar dados e criar análises falsas sobre o seu tema de pesquisa.

Cuidado: falsear informações pode pegar muito mal no meio científico e acabar com a sua carreira.

Conflito de interesse

Artigos cujos resultados foram influenciados por fatores externos, como troca de incentivos financeiros ou outros benefícios entram no critério de conflito de interesse e dificilmente serão publicados.

Por isso, é comum que as revistas científicas solicitem aos autores a assinatura de um termo ou declaração confirmando que a pesquisa não foi fruto de conflitos de interesse.

Quando você desenvolve uma pesquisa a partir de dados da empresa onde trabalha, por exemplo, é preciso informar ao periódico que não houve um viés tendencioso na sua publicação.

Dica Bônus: a importância de publicar em inglês

Traduzir o seu trabalho para o inglês aumenta, consideravelmente, as chances de colaborações e oportunidades de trabalhos futuras. Afinal, é mais gente tendo acesso a sua pesquisa e aos resultados que você obteve com ela!

Entretanto, é preciso tomar muito cuidado com essa tradução. Traduções mal feitas podem, ao invés de atrair, repelir cientistas e editores. Se não domina o inglês, opte, por exemplo, por contratar o serviço de um tradutor.

Gostou desse artigo (que, por sinal, não é científico)? Tem indicações de onde publicar artigos da sua área? Compartilha com a gente nos comentários. Assim, a gente contribui com o desenvolvimento da Ciência no nosso país!

Acesse aqui as referências deste artigo

Comentários

comments

RECEBA Nossas Novidades

Comments